quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Insígnias do quepe do Exército em 1932

Hoje trago uma linda foto e um interessante par de insígnias usadas no quepe do Exército em 1932.
As insígnias eram o tope redondo com as cores nacionais e a outra os dois fuzis cruzados, antigo símbolo da Infantaria - adotados no início do Século XX.

Photobucket

Vemos abaixo uma montagem com imagens retiradas do livro Uniformes do Exército Brasileiro de Gustavo Barroso com ilustrações de José Wasth Rodrigues, editado em 1922.

Photobucket

A foto a seguir mostra um soldado paulista não identificado usando a combinação de insígnias.

Photobucket

Após a Revolução e as mudanças no plano de uniformes militares, as insígnias de quepe foram alteradas para outro padrão que pode ser visto aqui.

4 comentários:

  1. Como o próprio título indica, a gravura de José Wasth Rodrigues corresponde às Linhas de Tiro, atuais Tiros de Guerra. O primeiro (de bicicleta) é da Capital Federal (Rio de Janeiro), o terceiro é de São Paulo, e os demais são do Paraná (do Tiro Rio Branco, criado em 1910). Embora a imagem não permita ver os detalhes, esses uniformes não eram nada semelhantes aos do Exército. O equipamento individual era em couro marrom, da Reserva Militar, ao contrário do Exército (e possivelmente da Força Pública de São Paulo) que era em couro preto. A insígnia hierárquica (nas passadeiras da túnica) é de alferes e os distintivos (da gola e do quepe) indicam que o militar era da infantaria.

    ResponderExcluir
  2. A insignia em formato de alvo verde, amarela e azul hoje é usada pelo CPOR/NPOR.

    ResponderExcluir
  3. Olho de Caxias, usado pelos alunos do CPOR/NPOR

    ResponderExcluir
  4. Prezado Anônimo, a idéia da figura de Wasth Rodrigues era mostrar o uso do TOPE e os diversos tipos de TOPES NACIONAIS. Abraço,

    ResponderExcluir