quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

O relógio do Mappin

Outro dia, tirando fotos pelo centro de São Paulo me deparei com o relógio do prédio onde funcionava o Mappin. Aquele mecanismo mostra a hora certa para paulistanos dos anos 20 até hoje. Passou pela Revolução de 1932 exatamente na Praça do Patriarca - o centro espiritual do movimento constitucionalista, aonde os comícios mais importantes e contundentes eram proferidos. Mais tarde a loja e o relógio foram transferidos para a Praça Ramos. A seguir algumas imagens desta longa trajetória.

Fundado em 29 de novembro de 1913 pelos irmãos ingleses Walter e Hebert Mappin, o Mappin Stores abriu suas portas na elegante Rua 15 de Novembro onde funcionou até o ano de 1919 - quando foi transferido para a "Praça do Patriarcha".
Abaixo uma foto dos anos 20, com a fachada ainda sem o relógio. Notem no centro da praça o monumento conhecido como "O Cabide" que aparece em inúmeras fotos da revolução.

Photobucket

Na próxima foto, já é possível ver o relógio com o primeiro mostrador trazendo algarismos romanos.

Photobucket

Em 1922 um grande incêndio atinge a loja, causando enormes prejuízos.

 photo incendio_zps1ff7c0b8.jpg

Durante a revolução, a Praça do Patriarca foi palco dos mais importantes comícios e também um centro de arrecadação para a Campanha do Ouro. Notem a base do "Cabide" usada para vender lembranças da revolução. Colado na coluna um dos mais célebres cartazes de 1932. Dentro da loja os clientes também poderiam adquirir os Distinctivos Paulistas, que também eram vendidos na loja vizinha, a Casa São Nicolau.

Photobucket

Em 1939 a loja é transferida para a Praça Ramos de Azevedo.
O relógio vai junto e ganha um mostrador com algarismos arábicos.

 photo DSC09846_zpscbb589b2.jpg

Photobucket

Em 1960 a loja é decorada para comemorar a inauguração de Brasília.

Photobucket

Brasil é tri-campeão do Mundo, 1970.

 photo DSC09844_zps4283047c.jpg

A loja atravessa as décadas até o final dos anos 90, quando São Paulo perde mais um ponto de ligação com seu passado.

Photobucket

Hoje no prédio de Elisário Bahiana o relógio continua cumprindo seu dever dia após dia, hora após hora.
Tenho a nítida impressão que se eu pudesse chegar bem perto dele, junto com o seu tic-tac eu ouviria bem baixinho "Mappin, venha correndo, Mappin, chegou a hora Mappin, é a liquidação".

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Já na Praça do Patriarca existem poucos traços do passado: A coluna conhecida como "Cabide" foi desmontada em 1938; depois o Edifício Barão de Iguape sede do Mappin Stores deu lugar a um gigante de concreto e vidro. Finalmente em 2002 a praça foi completamente desfigurada com a instalação de uma marquise horrorosa que tirou todo o charme de um dos locais mais tradicionais da cidade.

Photobucket

17 comentários:

  1. Nunca pensei que eu choraria ao ver fotos de uma loja...linda matéria ricardo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sinto o mesmo! rsrs
      Parabéns pela matéria

      Excluir
  2. Casualmente deparei-me com o seu blog. Em uma rápida olhada apressei-me em indexa-lo aos meus poucos blogs favoritos que diariamente visito, deixando para explora-lo mais a fundo fora de meu trabalho. No momento gostaria de parabeniza-lo até com certa emoção de ver uma pessoa aparentemente jovem com interesses tão forte na história e raizes de São Paulo. Um grande abraço,obrigado pela cultura que nos proporciona, espero que continue sempre assim.

    ResponderExcluir
  3. QUE FALTA FAZ, FUNDADO EM 1913 , FOI UM MARCO NA HISTORIA PAULISTANA, QUEM NAO FOI COM SEUS PAIS NO MAGAZINE MAPPIN? AINDA CHORO QD LEMBRO AS EPOCAS DE OURO QUE PASSI POR LA COM MINHA FAMILIA, MUITOS NATAIS, ACHO QUE OS MELHORES DA MINHA VIDA, ESCADARIAS LOTADAS DE PESSOAS, GENTE COMPORTADA EDUCADA, FINA, CORRIMAOS EM MADEIRA AVERMELHADA QUE PARECIAM MOGNO, ANDARES VARIADOS COM TUDO QUE SER PRECISAVA EM UM SO LUGAR.NAO FIZ PARTE DO MAPPIN FOTO ACIMA, MAS SIM DO MAPPIN PRAÇA RAMOS, POIS NEM MEUS PAIS ERAN NASCIDOS NA EPOCA DESSA FOTO 1937, CHOREI MUITO QD EM 1997 FOI DECLARADA SUA FALENCIA, POR MA ADMINISTRAÇÃO DO HERDEIROS DO MAPPIN, ACABOU MAS AINDA HOJE EH UM MARCO NA HISTORIA QUE QUEM NASCEU ATE A DECADA DE 90, POIS QUEM NASCEU DEPOIS NEM SABE O QUE FOI O MAPPIN, EU AINDA GOSTARIA DE VER O MAPPIN NOVAMENTE SENDO UM MARCO POR MUITOS E MUITOS ANOS, NOSSA SE ELE VOLTASSE, CHORARIA MUITO MAS DE FELICIDADE, QUEM NAO TEM HISTORIA PRA CONTAR? OS EMPRESARIOS SO PENSAM NO DINHEIRO E NAO NA HISTORIA DE UM PAIS!! SEM HISTORIA NAO AH DIHEIRO, MAS AS LEMBAÇAS SAO AS MELHORES COISAS DA VIDA DE UMA PESSOA.PARA ISSO QUE SERVE A VIDA, PARA SER VIVIDA, DESDE QUE O MAPPIN FECHOU E FOI COMPRADO POR OUTRAS EMPRESAS NUNCA MAIS FOI A MESMA COISA, E NUNCA SERA, LEBRO ATE HJ A UMTIMA VEZ QUE TIVE NO MAPPIN, EM 1994 , JA PERTO DA SUA FALENCIA, NUNCA MAIS FUI LA, NAO SE TEM MAIS VONTADE DE ENTTRAR, TODOS OS DIAS MILHARES DE PESSOAS PASSAM POR LA, MAS ACHO QUE NEM SE LEMBRAM MAIS DO QUE SIGNIFICOU O LOGOTIPO MAPPIN..CONTINUA..
    vou para de falar se nao vou desabar em lagrimas

    ResponderExcluir
  4. O relógio do Mappin era um marco importante na cidade de São Paulo. Infelizmente, aos poucos vamos perdendo essas referências históricas. Há pouco mais de um ano, o relógio da Praça da Sé despencou. Parece que foi reformado a contento. Tínhamos o relógio da Praça Antonio Prado. Minha mãe, quando solteira, trabalhou em um banco situado naquela praça. Naquele tempo, não havia a CLT. A proteção aos trabalhadores era escassa. Os funcionários daquele banco, quando se atrasavam, corriam, de olho naquele relógio. De longe, podiam saber quantos minutos faltavam para o horário de entrada e marcação do ponto. Se não houvesse minutos suficientes para chegarem até ao relógio de ponto do banco, viravam as costas e iam para casa, porque, se fossem vistos pelos inspetores do Banco, eram obrigados a ingressar para trabalhar, mas não ganhavam o dia. Um minuto era o suficiente para essa punição. Quem não se sujeitasse perdia o emprego. Outro relógio famoso foi o da Estação da Luz, marcando a hora exata, tanto quanto o Oinegue Diamente Azul. No incêndio da estação despencou e nunca mais foi o mesmo, apesar de restaurado. O relógio do Mosteiro de São Bento também não é mais aquela exatidão que já lhe deu fama. Por último, recebemos, há poucos dias, a notícia da retirada do relógio do Itaú, do alto do Conjunto Nacional. Foi antecedido pelo relógio da Willys, e era famoso por ser visto a grande distância. A lei contra a poluição visual obrigou sua redução e, com isto, perdeu seu poder publicitário da marca. Também, hoje em dia, todo mundo tem celular e este marca as horas com exatidão muito mais precisa. Nostalgias vão perdendo seu charme, como é o caso das Sirenes de A Gazeta, diminuídas no volume do som e na duração do apito. Antes, era meio minuto num tom e outro meio minuto noutro tom diferenciado. Quem conhece os relógios de sol que há em São Paulo?

    ResponderExcluir
  5. Fico triste em ver um lugar que todos podiam comprar com carne e era feliz a pessoa saia realizada com presente e sabendo que teria que pagar um carne longo,meu pai era cliente especial, tudo acabou.....estou triste espero que algum empresario possa dar essa alegria para nos novamente.
    Alexandre Marangoni

    ResponderExcluir
  6. Nossa que saudades !!! Trabalhava no JUMBO ELETRO em santos, no centro e tinha que ir de 15 em 15 dias a sp, no Pão de Açucar da Brig. luiz antonio, Loja n° 1, e aí sobrava tempo para ir ao MAPPIN, principalmente no andar que sempre ia ver os instrumentos musicais ! 1983,1984, AH que saudades !!!

    ResponderExcluir
  7. Eu adoraria participar de uma campanha para tirar esse lixo da praça do Patriarca!
    Parabéns Ricardo, seu site é fantástico!

    ResponderExcluir
  8. Alguem pixou "FORA SARNEY!!!" no topo do edificio.

    ResponderExcluir
  9. Sou de Santo André, ABC. Vivi pouquíssimos momentos no Mappin da Praça Ramos, mas vivi bastante no Shopping Mappin ABC, onde tinha um magazine deles.

    Comprava desde eletrodomésticos à serviços, passando por brinquedos e instrumentos musicais.

    Para se ter uma ideia, meu pai "comprou" a retífica do motor de um fusca (que está conosco até hoje) no Mappin, no carnê.

    Bons tempos.

    ResponderExcluir
  10. Tbem participei do Mappim! Era ofice boy na época, ainda bem que tinha o valoroso carnezinho, saudades de muitas coisas do passado!

    ResponderExcluir
  11. Bons tempos do Mappin !!! agora essa cobertura que a prefeita martaxa do pt colocou é tão RIDICULA como ela e seu partido tb !!!!

    ResponderExcluir
  12. Hoje em dia o "Mappin" se tornou uma Casas Bahia que faz parte da rede Via Varejo, eu sou um dos Aprendizes de Varejo da Loja, E o Relógio continua lá, continuamos realizando os sonhos de nossos clientes através do Crediário,uma linda Loja Histórica que esta funcionando perfeitamente, Na frente do Teatro Municipal e do Lado do Shopping Light, a filial 1206 das Casas Bahia atualmente é uma loja que rende milhões e que também é o centro de Seleção dos nossos funcionários ! Tenho orgulho que trabalhar lá !

    ResponderExcluir
  13. Conhecí o Mappin em 1981, e sempre que pudesse lá estava eu (hoje moro no MT), frequentava a lanchonete e a área musical, enfim passa horas dentro de seus vários andares...

    ResponderExcluir
  14. Pra mim o Mappin era como um shopping , adorava quando meu marido dizia hoje vamos ao Mappin, no terreo tinha doces maravilhosos,... Saudades daquele tempo.

    ResponderExcluir
  15. A legenda da foto "Brasil é tri-campeão do Mundo, 1970" esta errada pois a foto é do ano de 1966, Copa do Mundo realizada na Inglaterra.

    ResponderExcluir