quinta-feira, 5 de maio de 2011

Águias Paulistas

A aviação paulista tem suas origens no início do Século passado quando o Presidente do Estado de São Paulo Francisco de Paula Rodrigues Alves, sancionou em 17 de dezembro de 1913 a Lei No 1395-A que criava a Escola de Aviação da Força Pública no Campo do Guapira na Zona Norte de São Paulo, sendo responsáveis pelo curso os aviadores Edú Chaves e Cícero Marques, brevetados na França.
Após o ímpeto inicial, a escola de aviação enfrentava enormes dificuldades técnicas e os aparelhos ficavam no solo por falta de manutenção e equipamentos agravada ainda mais por conta da 1a Guerra Mundial.

Enfim em 1920 a escola foi transferida para o Campo de Marte também na Zona Norte e lá com uma infra estrutura adequada e sob a instrução de Orton William Hoover a aviação militar paulista entrava em uma nova fase. Em 1927 a história ganhou uma célebre página com o vôo do hidroavião Jahú que marcou a terceira travessia aérea do Atlântico Sul, a primeira da história sem escalas. A tripulação do Jahú era composta por João Ribeiro de Barros (piloto civil), 1o Tenente Aviador João Negrão (Força Pública de São Paulo), Capitão Newton Braga (piloto observador do Exército) e Vasco Cinquini (piloto-mecânico civil).

Extinta após a Revolução de 1930, quando São Paulo foi sistematicamente desarmado, as asas paulistas voltaram a se abrir em 1932 quando o Governador Pedro de Toledo cria através do Decreto No 5590 de 15 de Julho de 1932 o GMAP - Grupo Misto de Aviação da Força Pública. Durante os poucos meses de luta o GMAP efetuou inúmeras missões de reconhecimento e ataque em praticamente todos os setores da luta.

1932, Campo de Marte: Os Gaviões de Penacho em operação.

Photobucket

Photobucket

Cinquenta e dois anos depois surge novamente em 1984 o Grupamento de Radiopatrulha Aérea para auxiliar a Polícia Militar no combate ao crime em grande ascenção no estado. Em 1995, a unidade passa a chamar Grupamento de Radiopatrulha Aérea João Negrão em uma justa homenagem ao aviador.
Atualmente o GRPAe é a maior unidade do gênero na América Latina e uma das maiores do planeta. Maior do que muitos Esquadrões de Asas Rotativas da própria Força Aérea Brasileira. São mais de uma dezena de bases de radiopatrulha aérea espalhadas por todo o Estado operando em missões diárias de resgate e apoio aéreo no combate ao crime, monitoração de áreas de desmatamento, além de transportes especiais como órgãos para transplante e transporte de autoridades.

A convite do Capitão PM Freixo, um dos pilotos do GRPAe, o Tudo por São Paulo visitou recentemente o grupamento aéreo no histórico Campo de Marte em São Paulo. Acompanhe abaixo algumas imagens capturadas nesta visita.
Agradeço pela fantástica recepção ao Ten Cel PM Severo Silva, ao Major PM Gambaroni, ao Cap PM Freixo e ao 1o Ten Galletti - águias paulistas que além de prestar um serviço primoroso a população, são profundos conhecedores da história da aviação no Estado de São Paulo.

-------------------------------------

2011, Campo de Marte: O helicóptero usado pelo GRPAe, o HB-350 Esquilo.

Photobucket

Photobucket

Dotados de equipamento de visão térmica FLIR ou com potentes holofotes, os Águias operam em missões noturnas com enorme desempenho.

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Da sala de controle são monitorados os vôos, a comunicação de rádio e as ocorrências que envolvem os águias.

Photobucket

Abaixo uma sequência tirada logo após um alarme de resgate soar na base. A tripulação corre para a aeronave e em poucos segundos já está a caminho de mais uma ocorrência.

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

O imponente bimotor turbo hélice Beechcraft BE-200 King Air.

Photobucket

Photobucket

Um Cessna 210 Centurion com a pintura da Polícia Militar.

Photobucket

Photobucket

Abaixo o bimotor Eurocopter EC135 usado no transporte de autoridades.

Photobucket

Photobucket

Os "Gaviões" de treinamento, Schweizer HU-30, batizados em homenagem aos Gaviões de Penacho constitucionalistas.

Photobucket

Photobucket

Photobucket

No "cat´s bar" o leme de um esquilo acidentado durante uma missão e a galeria dos águias com o brevê de cada piloto.

Photobucket

Photobucket

O brevê de piloto e a insígnia do Grupamento Aéreo.

Photobucket

O autor do blog juntamente com os águias do GRPAe.

Photobucket

4 comentários:

  1. O GRPAe vai participar do desfile em 9 de julho no Ibirapuera? Poderiam mostrar os helicóprteros por lá!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Já vi esse pessoal em ação e posso só dizer que são Heróis de verdade. Parabéns ao governo de São Paulo.

    ResponderExcluir
  3. Lindas fotos, amigos!
    E essas da turma de 32 usando o capacete... POXA, QUE FANTÁSTICAS! QUE PÉROLAS! =D
    Permita comentar: o Comandante João Ribeiro de Barros, daqui da minha terra (Jaú/Jahu/"Jahú") ganhou a patente de Major do Exército pela Travessia.
    No dia 14 de agosto, o grupo de teatro EPIFANIA, de Jaú, vai apresentar a peça sobre a Travessia: ASAS AO VENTO.
    Será no Museu da Aviação, da TAM, em São Carlos (onde está o "Jahú", graças a Deus!).
    Aliás, quem deixa esta mensagem é o humilde ator que terá a honra de representar o Comandante jauense! (Não nego meu prazer e minha honra por isso!)

    Abração!

    ResponderExcluir
  4. Mais uma matéria que enche nosso coração paulista de pleno orgulho e alegria. A profissão de piloto da Polícia Militar é uma das mais legais que eu conheço. ,Grande Abraço,

    ResponderExcluir