segunda-feira, 7 de maio de 2012

Dois monumentos de José Wasth Rodrigues em São Paulo

Os leitores que acompanham o blog há algum tempo sabem da minha admiração por José Wasth Rodrigues, um dos principais pintores e historiadores do nosso País. Aqui em São Paulo, inúmeros monumentos foram criados por Wasth Rodrigues e hoje trago dois deles aqui para o blog. Infelizmente isso não é motivo de alegria, como deveria ser mostrar o nosso patrimônio histórico. Os dois monumentos encontram-se em estado lastimável - um deles é um banheiro público e o outro está completamente vandalizado. 

O "Monumento as vitórias esportivas na Europa" fica em frente ao Clube Atlético Paulistano e consiste em um banco monumental de granito e bronze com uma placa ao centro e uma coluna com uma esfera armilar, símbolo do Reino de Portugal, com as quatro faces trazendo os símbolos da Cruz de Cristo, Reino Unido, Império e República. O monumento encomendado pelo Clube Paulistano foi concebido em 1925 por Wasth Rodrigues e executado por Roque de Mingo para comemorar a série de vitórias alcançadas numa tour pela Europa do time de futebol do clube. Os brasileiros foram aclamados "Reis do Futebol" e a imprensa tratou a excursão como uma "epopéia paulista" sendo os jogadores "bandeirantes", cujo papel era desbravar o território europeu em nome do esporte brasileiro. 

87 anos depois o monumento encontra-se relativamente intacto, porém é usado por moradores de rua como dormitório e por transeuntes como banheiro público. A sorte dos meus estimados leitores é que as fotos abaixo não trazem o odor fétido do local. 

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Na parte de trás do monumento a latrina a céu aberto de onde emana o odor podre do local.

Photobucket 

Photobucket


Photobucket

Os Brasões do Império e do Reino Unido são os preferidos para servir de mictório. O povo que urina nos seus símbolos históricos merece a corrupção de quem o governa.

Photobucket

Photobucket

Já o monumento localizado na Praça da Santa Cruz em Santo Amaro erguido no sítio histórico onde ocorria a Festa de Santa Cruz, tradicional celebração paulista há centenas de anos, encontra-se completamente desfigurado por pichações e vandalismo. O monumento é de 1938 e os painéis de azulejo de Wasth Rodrigues mostravam o Padre José de Anchieta ensinando os índios e o engenho de Santo Amaro do século XVII. Um dos brasões traz as armas da família do jesuíta e o outro (que foi roubado) as armas de Santo Amaro. Foi uma experiência muito triste visitar este local e me deparar com tanto descaso.

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

A assinatura de Wasth Rodrigues desaparece entre a "manifestação artística da juventude".

Photobucket

O brasão que ainda não foi roubado.

Photobucket

Em ambos os monumentos o que vemos é o descaso com o nosso patrimônio histórico. Imagino que a diretoria do Club Paulistano e a Sub-Prefeitura de Santo Amaro deveriam estar mais atentas a estes locais. Já quem picha e urina na nossa história são pessoas que não poderíamos enquadrar como civilizadas e não nos cabe discutir como incluí-las na nossa sociedade.
Vivemos em tempos obscuros.

5 comentários:

  1. E Ricardo, infelismente e o que acontece. Não e so por ai,e uma falta de respeito com a historia de nosso pais e com nosso antepassado.
    Abraço.
    Gonçalo

    ResponderExcluir
  2. "O povo que urina nos seus símbolos históricos merece a corrupção de quem o governa".

    FALOU POUCO MAS FALOU BONITO RICARDO!!!
    PARABÉNS!!!

    ResponderExcluir
  3. É muito triste ver o tratamento de desprezo e total falta de educação que certas pessoas que querem ter o "direito" de participar de nossa sociedade, dão aos nossos símbolos históricos.
    Essas pessoas não fazem a menor idéia do trabalho e da técnica exigida para que um momento de nossa história possa ser cristalizado em uma obra artística que constitui os nossos monumentos.
    Quando existia a verdadeira forma de educação artística nesse país...época do saudoso liceu de artes e ofícios, a juventude tinha como se interessar por técnicas aprimoradas de fundição de bronze em moldes de cera perdida, pintura de azulejos, marcenaria artística entre outros ofícios nobres...
    Seria importante mudar o conceito do que é expressão artística e principalmente da atual "arte urbana" tão defendida por pichações e que geram vandalos sem causa que depredam e desrespeitam os artistas antigos.
    Para mim, só quem possuí respeito aos antigos mestres e domínio nas técnicas antigas poderá se orgulhar e se destacar dignamente na sociedade através da sua arte, seja ela qual for.
    Acredito que seria bem diferente o cenário de nossa cidade.

    ResponderExcluir
  4. Sei quem foi Wasth Rodrigues, tenho alguns desenhos e aquarelas dele e conheço os monumentos que desenhou, sem contar o Brazxão do Estado de São Paulo. O brasileiro não tem memória e não cultua a sua história, e hoje em dia, principalmente, com um governo corrupto onde a educação (moral e cívica) não figura em seus programas, o que resta e que lembra o nosso passado fica como estão o que estão aqui mencionados.
    Carlos E. Barros Rodrigues ´

    ResponderExcluir
  5. Povo mal educado que merece continuar na miséria.

    ResponderExcluir