quinta-feira, 17 de maio de 2012

O hidroavião Jahú no Museu da TAM

Após sua chegada no Brasil, o Jahú foi doado para exposição pública primeiramente no Museu Paulista onde ficava ao relento. Na década de 1950 foi para o Museu da Aeronáutica aonde permaneceu por 40 anos e lá sofreu com o descaso e os cupins. Quando o museu foi desativado em 2000 (um grande absurdo diga-se de passagem) o avião (ou o que restou dele) ficou no hangar da Polícia Militar de São Paulo no Campo de Marte.

Depois de muitos anos de abandono e descaso a empresa Helipark em parceria com a iniciativa privada trouxe de volta este avião que é parte importante de nossa história. Mostro hoje algumas fotos tiradas no belíssimo "Museu Asas de um Sonho" da TAM em São Carlos, local de exposição permanente da aeronave.

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket


9 comentários:

  1. Caipira do interiorrrr-SP17 de maio de 2012 11:39

    Pelo jeito vc veio fazer um tour por São Carlos. Museu da TAM e praça dos Voluntários.
    Pena que os professores dos cursos primário e ginasial (eram assim denominados na minha época) não deem importância ao monumento dos voluntários.
    Nunca vi nem ouvi dizer que determinada escola levou seus alunos para visitar tal praça e assim ensinar um pouco de patriotismo, coisa que vem se exaurindo dia após dia na nossa nação.
    Parabéns pelo seu belo trabalho.

    ResponderExcluir
  2. "O Jahú de um salto
    Transpondo o Oceano
    O Oceano!
    O nome ergueu alto
    Do Brasil ufano!
    Trinta milhões de almas
    Enfunando o peito
    O peito
    Com vibrantes palmas
    Honra dão ao feito!"
    - Estribilho do hino "Asas do Jahú", composição de Marcelo Tupinambá.

    Grande João!

    ResponderExcluir
  3. Quem já viu esse avião de perto não acredita que isso podia voar.

    ResponderExcluir
  4. João Marcos Carvalho19 de maio de 2012 13:02

    O comandante João Ribeiro de Barros, o tenente da FP João Negrão, o mecânico Vasco Ciccini, e outros dois tripulantes cujos nomes me foguem à memória, estão lamentavelmente esquecidos pelos paulistas e brasileiros. São heróis que, em outros países, seriam exaltados para sempre entre seus compatriotas. E mil vivas à empresa que restaurou a "velha águia" de Jahú.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro João Marcos!
      Os "outros dois" que vc bem lembrou eram o então capitão do Exército Newton Braga (depois major) e o capitão Mendonça, da Marinha -- o qual só passou para a tripulação depois da chegada do Jahú, devido a uma briga em entre Barros e Cinquini (este que, breve, foi readmitido na tripulação, desfeita a pendenga).
      Com todo respeito, mas não considero Mendonça um "herói", pois não participou do reide.
      O outro, um tal de Arthur cunha, amigo de João, traiu a tripulação, subornado por italianos. Chegou a sabotar jogando terra, sabão e uma peça de bronze no tanque do Jahú e, depois, desviando a rota para atrasar o avião e gorar o reide (fato que lhe valeu uma briga feia, em vias de fato com João em pleno vôo -- quando, emergencial, Braga assumiu os controles do avião).


      Pior, amigo, é o João ser esquecido (e até maldito) por seus conterraneos de nossa cidade (Jahu).

      Excluir
    2. Imagina que cena daria...que filme essa história.

      Excluir
  5. Que lindo nosso hidroavião Jahu... parte da história sem divulgação... precisamos mostrar a todos, o feito de João Ribeiro de Barros, esse Jauense que levou o nome do Brasil ao alto...

    ResponderExcluir
  6. Houve uma mobilização em Santo Amaro/SP, mais precisamente na Capela do Socorro, para a volta do Monumento da Travessia do Atlântico. Postamos uma série de textos em ÍNDICE DE TEXTOS SOBRE O MONUMENTO AOS HERÓIS DA TRAVESSIA DO ATLÂNTICO:DESMISTIFICAÇÃO e pode ser acessado no blog:
    http://carlosfatorelli27013.blogspot.com.br/2010/12/indice-de-textos-sobre-o-monumento-aos.html

    Além disto, postamos recentemente todo o descaso em Santo Amaro, que, aliás, tem um gama de monumentos, mas que não possui política de preservação histórica,não somente com a Praça Santa Cruz, mas com todo o acervo. Pode ser visto na crônica.
    http://www.carlosfatorelli27013.blogspot.com.br/2012/05/o-poder-na-teoria-e-na-pratica.html

    Parabenizo pelo belo trabalho apresentado,uma excelente fonte de pesquisa.

    ResponderExcluir
  7. O avião é fantástico, a história da travessia é incrível e a iniciativa da recuperação do Jahu merece aplausos!

    ResponderExcluir