quinta-feira, 5 de julho de 2012

Julho de 1924 - São Paulo sitiada

Diferentemente de 1932 os acontecimentos de julho de 1924 em São Paulo não contaram com o apoio popular, muito pelo contrário: Quem tinha condições deixou a cidade. Os mais pobres, que habitavam os bairros operários, sofreram na pele os efeitos de uma guerra civil na porta de suas casas. Foram centenas de mortos e milhares de feridos - a esmagadora maioria eram civis desarmados. Por vinte e três dias a cidade de São Paulo experimentou a guerra moderna com fogo de armas automáticas, artilharia pesada e bombardeio aéreo. As fotos do conflito não deixam a menor dúvida sobre a intensidade e violência dos combates. Neste link é possível ver uma série de manchetes de jornais circulados durante a revolta de 1924.

Photobucket

Photobucket

Artilharia legalista apontada para o centro da cidade.

Photobucket

Photobucket

Um poste de iluminação em metal furado como uma peneira.

Photobucket

Tanques de guerra reais.

Photobucket

Tanques de guerra improvisados.

Photobucket

Uma escola na Rua dos Trilhos na Moóca.

Photobucket

Uma sala do Quartel da Luz que recebeu um impacto direto.

Photobucket

A mesma sala atualmente.

Photobucket

Photobucket

Vitória das tropas legalistas.

Photobucket

Abaixo dois exemplares da Medalha da Legalidade, outorgada aos soldados e oficiais da Força Pública que lutaram pela restituição da ordem em 1924. A fita da medalha da direita pertenceu ao General Julio Marcondes Salgado e foi gentilmente cedida pelo seu neto ao autor do blog.

Photobucket

Braçal de voluntário da Cruz Vermelha, usado em São Paulo em 1924.

Photobucket

Photobucket

21 comentários:

  1. Essa escola na rua dos trilhos 1269, teve a sua fachada reformada e abriga uma pizzaria. Os tdelhados de 2 aguas ainda existem, claro, que com novas telhas.

    ResponderExcluir
  2. João Marcos Carvalho5 de julho de 2012 19:34

    O que precisa ser dito sobre a Revolta de julho de 1924, é que Carlos de Campos, governador do Estado de São Paulo na época, agiu como um criminoso de guerra ao ordenar o bombardeiro indiscriminado da Capital paulista por artilharia pesada.
    Foi um ato covarde, desproporcional, cruel e desnecessário que matou centenas de habitantes indefesos e que sequer sabiam o porquê daquela luta terrível em plena zona urbana.
    Infelizmente a amnésia histórica nacional deixou impune Carlos de Campos, Artur Bernades (presidente da República na ocasião)e seus generais assassinos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu li muito sobre a Revolução de 1924, mas sinceramente não me lembro de que o bombardeio tenha sido ordenado pelo presidente Carlos de Campos, que fugiu da cidade. Quem decidiu pelo bombardeiro foram os comandantes das forças federais lá na Penha e Guaainazes, mas não levaram em conta a população civil. Isso está nas centenas de livros e matérias de jornal de jornal sobre o assunto.
      Quem deve ser lembrado por sua atitude seria o presidente da Associação Comercial, José Carlos de Macedo Soares,que pediu ao General Sócrates que poupasse a cidade do bombardeio, mas em vão.
      Macedo Soares passou horrores depois da revolta, pois durante a ocupação da cidade pelos rebeldes ele conseguiu, em nome do prefeito Firmiano M Pinto, autorização dos mesmos para reorganizar o abastecimento da cidade.
      Macedo Soares não era simpatizante dos rebeldes, mas pagou o preço por se preocupar com os civis: foi preso e posteriormente exilado.

      Excluir
    2. Correção do texto acima: "quem decidiu pelo bombardeio..."
      "Guayauna" e não "Guaainazes". A estação de Guayauna foi rebatizada como Carlos de Campos como homenagem post-morten ao presidente do Estado de SP, em 1927.

      Excluir
    3. Criminosos foram a meia dúzia de gatos pingados que, destituídos de qualquer apoio popular, promoveram na cidade de São Paulo um tumulto seguido de vultoso saque em benefício próprio.
      Retiraram-se, fugidos, depois de dias de baderna, perseguidos pelo Brasil a fora, levando a baderna, o saque e suas disputas internas, naquilo que passaram a chamar de "Marcha", muito bem descrita por Domingos Meirelles em seu trabalho imperdível "A Noite das Grandes Fogueiras".

      Excluir
  3. João Marcos Carvalho5 de julho de 2012 19:37

    Correção: no texto acima, leia-se bombardeio e não bombardeiro.

    ResponderExcluir
  4. eu nao sabia sobre isso, minha vó de 100 anos me diz sobre guerras e coisas que aconteceram no passado mas agora que tive a chance de ler isso posso prestar mais atenção as histórias dela, fazer assimilações, muito obrigado por me informar mais sobre o pais e sobre a cidade onde vivo.

    ResponderExcluir
  5. ORGULHO DE SER PAULISTA! Vamos resgatar o nosso orgulho!

    ResponderExcluir
  6. otimo comentario de João Marcos Carvalho.

    ResponderExcluir
  7. É um registro histórico que não pode ser esquecido, inclusive esse comentário do João Marcos Carvalho

    ResponderExcluir
  8. maravilhoso arcervo faz viajar no tempo lembrar o que meu pai comentava ele nasceu em 1918 mesmo jovem lembrava das açoes foram tempos dificeis mas de muito orgulho para povo paulista

    ResponderExcluir
  9. O Blindado q aparece no pátio do quartel da luz(atual 1o BP/Choque "Tobias de Aguiar"-ROTA) na sétima foto de cima prá baixo foi construído por oficiais da Força Pública com a ajuda de técnicos das oficinas ferroviárias,q usaram chapas de metal sob o chassi de um caminhão inglês,talvez um Mac Corning Derring ou um Thornycroft,pois sua direção era do lado esquerdo.Não tinha torre giratória,mas cinco seteiras de onde se podiam disparar armas automáticas,metralhadoras hotchkiss ou fuzis mauser 7mm,armas usuais às forças militares da época.CURIOSIDADE!!!O VEÍCULO FICOU TÃO PESADO Q NEM SEQUER SAIU DO LUGAR!!!!

    ResponderExcluir
  10. A revolta de 1924 foi esquecida nas prateleiras da nossa História, principalmente pelo que aconteceu depois que os rebeldes deixaram a cidade.
    Eu estou fazendo um trabalho de identificar, nos dias de hoje, os locais fotografados em 1924.
    A rua Florencio de Abreu e o viaduto Santa Ifigenia foram locais de intensos tiroteios, pois eram o caminho natural das tropas rebeldes que vinham da Luz para o centro, via rua Florêncio e Casper Libero.
    Quem tiver curiosidade pode ver picotes causados por balas de fuzil na fachada da igreja de Sta. Ifigenia que estão lá até hoje.

    ResponderExcluir
  11. Um excelente livro para se ter mais um ponto de vista sobre essa revolta é A Noite das Grandes Fogueiras de Domingos Meirelles. Esta revolução foi o ponto de partida da Coluna Prestes e minha mãe, que na ocasião contava com 7 anos e morava na Vila Mariana contava que os projéteis de artilharia passavam sobre sua casa, que ficava na rua que posteriormente veio a se chamar Joaquim Távora, morto nessa revolta. Na garagem dos bondes, que ficava onde hoje é a estação Vila Mariana do Metrô, eram empilhados os cadáveres recolhidos pela cidade, segundo ela o sangue corria pelo meio fio. Meu avô optou por se refugiar com a família numa chácara no Bosque da Saúde, fora da zona de combate, houve desabastecimento e a fábrica da Lacta, que ficava na Rua José Antonio Coelho e foi bombardeada e incendiada, foi saqueada.

    ResponderExcluir
  12. Dois detalhes interessantes: A avenida Paulista (originalmente batizada por Avenida das Acácias), em 1929 teve seu nome alterado para Avenida Presidente Carlos de Campos; em 1955, a Avenida Jabaquara também teve seu nome alterado para Avenida Getúlio Vargas. Embora nos dois casos tratam-se de personalidades diferentes, as tais mudanças de nomes não foram do agrado dos paulistanos (até por motivos óbvios) que exigiram o cancelamento do "rebatismo" das avenidas.Forçados pela situação, o poder públco rendeu-se à vontade popular.

    ResponderExcluir
  13. Boa Noite Ricardo, fiquei muito feliz em conhecer seu blog, pois temos muito em comum : Tbm sou paulista e paulistano (móoca), publicitário e neto de revolucionário. Já lí dúzias de livros sobre 32, sou totalmente adepto ao ideais paulistas e fã de estratégias de combate. Meu falecido avô era o mais próximo de um sniper, digo "próximo" por nunca ter visto o termo ou algo alusivo nos textos da época. Meu e-mail : ronie-rodrigues@hotmail.com à todos os amigos paulistas que confraternizam no resgate da cultura e cidadania paulista. Grato

    ResponderExcluir
  14. Tenho lido em vários lugares a atitude heróica dos homens de Mato Grosso do Sul, que foram os únicos de outro Estado a enviarem tropas para nos apoiar. Consta que chegaram a enfrentar os federais na divisa com São Paulo. Creio de devemos, então, um merecido e correto reconhecimento histórico e moral, haja visto que praticamente nada se encontra nos relatos assinados por paulistas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A entrada de homens do mato grosso foi na revolução de 32.

      Excluir
  15. Parabéns pelos 4 anos de blog ! Seu acervo e a forma com que aborda o tema são sensacionais! Mais 4 anos vezes 4000 para você !

    ResponderExcluir
  16. Na época da Revolução de 1924, a Mooca teve que improvisar cemitérios clandestinos, para sepultar as vítimas do bairro e que também lutaram como força de resistência a opressão que lhe foi imposta...reza a lenda que um desses cemitérios ficava na esquina da Rua da Mooca com a Rua Juvenal Parada onde atualmente existe um posto de gasolina...são muitas as fotos do estrago feito pelos bombardeios na região da Mooca, foram atingidos o Cotonifício Crespi, a Companhia Antarctica Paulista e até mesmo o Hipódromo da Mooca, o primeiro Joquei Clube de São Paulo.

    ResponderExcluir