sábado, 29 de março de 2014

Volantes circulados em 1932 (e depois)

Acho de extrema importância alguns volantes circulados em 1932 (e depois), pois seus textos revelam um estado de espírito no momento que a revolução acontecia. Neste post vou publicar ao longo dos próximos dias uma série de volantes - e para não criar muitos tópicos diferentes, vou atualizando este mesmo com novos materiais. Tenho certeza que os leitores do blog vão acompanhar as postagens e gostar bastante desse arquivo!

Alguns folhetos são impressos, outros datilografados em papel manteiga e outros mimeografados - a maioria é a favor de São Paulo, mas alguns são contra. Não usarei nenhuma ordem cronológica e nem os classificarei de alguma forma - pelo menos não por enquanto. Vejamos o resultado final!

 photo foto_zps350fb0ca.jpg

 photo foto3_zps2963e0de.jpg

 photo foto2_zps07ca5a3f.jpg

 photo Scan0006_zpsf384e4e3.jpg

 photo Scan0024_zpsc1e5cca8.jpg

 photo Scan0022_zpsaa17d917.jpg

 photo Scan0021_zps5d130a4f.jpg

 photo Scan0025_zpsb2336f9c.jpg

 photo Scan0023_zps1234bf7b.jpg

 photo Scan0020_zps38091de1.jpg

 photo Scan0010_zpsdba39078.jpg

 photo Scan0015_zps369acb0b.jpg

 photo Scan0019_zpse1997c76.jpg

 photo Scan0013_zps200d0cb2.jpg

 photo Scan0005_zpsadfae7bc.jpg

 photo Scan0004_zps1c94723b.jpg

 photo Scan0003_zps20e1ed60.jpg

 photo Scan0012_zps7787dae9.jpg

 photo Scan0011_zpsac452abc.jpg

3 comentários:

  1. João Marcos Carvalho5 de abril de 2014 20:05

    Alguém sabe informar se a viúva e os filhos do humilde caboclo Paulo Virgínio, assassinado em 1932 por fuzileiros navais em Cunha (SP) foram indenizados ? Temos aí um crime de guerra inaceitável. Mesmo que os assassinos já estejam mortos, seus nomes devem ser revelados para que a posteridade possa conhecê-los

    ResponderExcluir
  2. João Marcos de Carvalho tudo isso com um caboclo do mato do Bairro do Taboão, um homem pobre, humilde, veja a foto no cartaz da viúva e dos 3 filhos, (todos descalços), foi uma tremenda covardia e crueldade! Esse foi o único crime de guerra até hoje na história do Brasil que houve punição. Após o término da Revolução, a notícia chegou aos ouvidos do ditador Getúlio Vargas que imediatamente mandou localizar os assassinos, foram julgados e pegaram a pena máxima de 30 anos. São eles; Sargentos:JUVENAL BEZERRA MONTEIRO, ROQUE EUGENIO DE OLIVEIRA, ASCENDINO PAIVA e o Fuzileiro RAYMUNDO JERONYMO, sob o Comando do Tenente AIRTON TEIXEIRA RIBEIRO. Guardemos pois esses nomes.

    *** "No casebre rustico do bairro do Taboão, tempos depois, uma pobre viúva, cercada de três pequenos orphams - o menorzinho já havia morrido - recusou, na sua extrema penúria, o dinheiro que a ditadura mandava oferecer-lhe".

    Fonte: Texto de Cesar Salgado, publicado no interior deste cartaz postado em que se vê a viúva e os três filhos por ocasião das comemorações do 9 de julho em 1937.

    ResponderExcluir