segunda-feira, 8 de setembro de 2014

A alma do paulista

O Estadão do domingo trouxe na coluna Paulistices do jornalista Edison Veiga um texto meu sobre o Obelisco do Ibirapuera.

“EU SOU A ESPADA QUE A MADRE TERRA,
QUANDO AO SEU SEIO SE ACONCHEGARAM OS FILHOS MORTOS,
MATERNALMENTE DESEMBAINHOU.”

No trecho acima, extraído do poema A Espada de Pedra, Guilherme de Almeida resumiu brilhantemente o significado do Obelisco do Ibirapuera para São Paulo.

Eu passo quase diariamente pelo Obelisco desde que me entendo por gente, e não tem uma única vez que eu não fixo o olhar nele e sinto uma pontada de orgulho ao vê‐lo ali. Imponente. Desafiador. Dominando a paisagem.

Em suas faces está contada a história de um povo que não se ajoelhou.

Clique aqui para ler o texto na íntegra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário